06 dezembro 2007

and we'll walk in the sun

just wrap your legs round these velvet rims
and strap your hands across my engines

é fácil chamar-lhe arena-rocker, redneck, básico, grunho e tudo o mais. este homem escreveu uma das maiores canções rock de todos os tempos e um dos poemas rock mais arrebatadores de sempre. o resto é treta. desde a semana passada que a wendy não sai do meu auto-rádio.

6 comentários:

Olavo Lüpia disse...

não acho que seja fácil chamar-lhe nada dessas coisas. este homem escreveu alguns dos mais belos hinos rock de todos os tempos.
o romantismo (no bom sentido) dos primeiros 3 discos deste gajo são uma verdadeira inspiração.
a última estrofe (principalmente, a última estrofe) da Thunder Road que lhe façam a justiça devida.
Este gajo era (sozinho) os Arcade Fire de há 33 ou 34 anos.

Olavo Lüpia disse...

ah! esta versão também é impressionante.
abraço e desculpa o abuso...

Joe disse...

olavo, claro que quando eu digo "é fácil", quero dizer que há muito boa gente (e até gente com bom gosto) para quem o boss não passa desse registo. provavelmente a culpa é do Born in the USA (a canção), que além de ser das piores coisas que ele escreveu passa erradamente por ser um manifesto de "americanidade", no sentido negativo da coisa. exactamente ao contrário, este gajo representa grande parte daquilo que os USA têm de bom.

e não abusas coisa nenhuma. muito pelo contrário, executo neste momento uma vénia completa em honra do teu contributo. impressionante, indeed!
abraço

Baudolino disse...

"Este gajo era (sozinho) os Arcade Fire de há 33 ou 34 anos."
Nunca tinha posto a coisa nestes termos mas... deixou-me a pensar. Esta é realmente uma música excelente de energia, entrega, de evocação de liberdade... as qualidades que reconheço e que me fascinam hoje nos Arcade Fire.
Abraço

M.A. disse...

Há uns bons anos, este senhor seria certamente um dos ódios de estimação de qualquer indie freak.
Pela parte que me toca, sem ser um admirador confesso, com o tempo aprendi a respeitá-lo (afinal de contas é o Boss!) e há até alguns (bastantes) temas de que gosto muito, como é o caso deste.
E por falar em Arcade Fire, ainda há dias comentava com alguém que os dois únicos temas de jeito de "Neon Bible" (Keep the car running" e "Antichrist television blues") tresandam a Springsteen. Este último é quase um decalque.
Impedível a versão lindíssima que os Chromatics fizeram de "I'm on fire". Se não conheceres e/ou não conseguires arranjar posso mandar-te. Basta pedir!

Abraço

Shumway disse...

Abençoado grunho...
Só a triologia "Darkness on the Edge of Town", "Nebraska", "The River" bastava para nos rendermos.
Mas ainda podemos acrescentar "Born to Run", "Tunnel of Love", o perdido "The Ghost of Tom Joad".

E o que que dizer do regresso com "Magic"

Abraço