12 outubro 2006

18 @ Radio

20 comentários:

Anónimo disse...

Vai passar a grande Banda do nosso tempo o Quarteto 1011?
Saudações

Fernando Lampreia

Anónimo disse...

R.I.P. CBGB... sabiam que vai fechar?

filipelamas disse...

É o grande joe que vai pôr música?

Joe disse...

Meu caro Lampreia, se na 4ª feira apareceres no Rádio e te identificares trazendo uma lampreia à vota do pescoço, fica aqui prometido que passará "A lenda de D. Sebastião", ou em alternativa o "como o macaco gosta de banana". E sim, será o Joe a botar som. Espero que o vasto auditório da C70 compareça em peso, quanto mais não seja para ir tomar um café um bocadinho mais tarde do que habitualmente. Não se arrependerão!

Quanto ao CBGB, até pensava que já tivesse fechasdo de vez, mas fui agora ver o site deles e fiquei a saber que fecha depois de amanhã. Não sem que antes ainda passem lá, entre outros/as, a Debbie harry e a Patti Smith. Estive lá em 94, da única vez que fui a NY. O berço de muito do melhor rock que já se fez era um local de facto feio, porco e mau.

Anónimo disse...

Será que é necessário gozar com o meu apelido?
Para prof. deve ser um que só gosta de certos alunos.
Depende do apelido.

nuno.sa disse...

por lapso, esquci-me de assinar o comment relativo ao fecho so dito. 4ª lá estarei!

Joe disse...

Ó meu caro Fernando, estava só a brincar. Não era para levares o meu comentário a mal. Um abraço e aparece na 4ª, para eu te oferecer um fino e fazermos as pazes ;)

joaquim.guilherme disse...

Isso é verdade, Lampreia. A mim, por exemplo, que me esforço seriamente para que me chamem Blanc e para esconder o meu apelido mais popular, nas aulas este Prof., por variadas vezes disse : "ó Esteves, ao quadro".

joaquim.guilherme disse...

e também chegou a dizer : "ó esteves, à pedra"
j.g

filipelamas disse...

Tenho muito a aprender com o prof. joe...

Joe disse...

Ó Estebes, cá para mim estamo-nos a esquecer que temos uma certa e determinada cadeira no 2º semestre. Quer-me bem parecer que nas aulas práticas seremos interrogados com mais assiduidade e rigor que o resto da turma.
E quase me esquecia de contar que comprei umas orelhas de burro para os pupilos que não tenham as respostas na ponta da língua.

Ricardo Salazar disse...

ó estebes ( das oreilhas de asno), fudestete...

Ricardo Salazar disse...

eu tb fui aluno do prof. Joe.
que bad ass mofo que o prof joe era.

uma vez andou com umas calças de couro durante três meses sem as tirar. As lendas diziam que o jabberwocky habitava na sua roupa interior.

uma vez fomos até numa visita de estudo ao deserto, onde a turma toda tomou peyote e o gonçalo foi mordido por uma cascavel que afinal era uma meia velha.

Mas venenosa, o que fez com que o Gonçalo tenha acabado o curso e agora seja junkie e deputado.

Ah, bons tempos...bons tempos,... bons e velhos tempos.. tempos antigos e de renome
tempos que não voltam mais
quem sabe para onde o tempo vai
tempo, volta para trás
in illo tempore
tempo, é tempo.. de inmynypito pité..i will be there....

Joe disse...

vá lá, vá lá, sôtor... Isto é uma casa de respeito, em que não toleramos o uso de linguajar impróprio.

Ricardo Salazar disse...

desculpem...:

errata:

onde se lê "ó estebes, fudestete", ler:

" ó esteves, vão-te comer as papas na cabeça"

armando disse...

papas de sarrabulho entenda-se...

...e não no radio, que não as há.

nuno.sa disse...

Agora estou em dívida, porque (por motivos alheios à minha pessoa) não pude comparecer... Para além do pedido de desculpas, estou disposto a arcar com o castigo respectivo...

Ricardo Salazar disse...

a little spanking, no?
you poinceneur des lilas.

Ricardo Salazar disse...

Uncle Joe rules supreme.

que set magnífico. é por momentos destes que me sinto feliz por estar vivo.

obrigado, obrigado, muito obrigado joedottir - grande pai de filipe, filho de uma longa e nobre linhagem de reis.

devia haver um feriado com o seu nome, uma festa pagã ritualistica em sua honra.

um grande bem haja, e palminhas

Joe disse...

Fico satisfeito com o teu júbilo, ó bom homem, embora não creia que seja caso para tanto. Teria decerto sido mais catita se não me tivesse convencido que o 2º leitor de CD's estava avariado, e não apenas desligado. Passei a noite à procura de coisas tocáveis que tivesse no leitor de MP3. Para a próxima será melhor.
Para memória futura, acabei com o Crazy, dos grandes Afghan Whigs. O que me faz perguntar, em tom severo, ao auditório da C-70: quem se abotoou com o "1965", que ainda por cima é propriedade da menina Inês (e justamente oferecido pelo Dr. Salazar)?