30 junho 2006

No tacho do Mestre Joe

Berbigão à Hull (receita para 3 pessoas)
Tempo de preparação e confecção: cerca de 78 min.

Ingredientes:
- berbigão
- 4 dentes de alho
- azeite a gosto
- coentros a gosto
- whisky (bastante)
- gelo (bastante)
- CD dos Housemartins, "Now that´s what I call quite good"

Depois de colocar o CD a tocar, abre-se o saco dos berbigões enquanto se meneia as ancas ao som de I smell winter. Despejam-se os bichos numa bacia com água fria, e revolvem-se para começar a sair a areia ao ritmo de Bow down (pode acompanhar-se a tarefa com uns parapapa). Aproveita-se o momento de reflexão de Think for a minute para por gelo num copo, no qual se deitará whisky enquanto se acompanha o coro de There is always something there to remind me. The mighty ship e Sheep fornecem o balanço ideal para voltar a revolver a água do berbigão, deitando bastante sal na água final. Deita-se azeite no tacho enquanto se avança para o gospel de I´ll be your shelter, a que se acrescenta o alho picado durante Five get over excited. Aproveita-se o momento mais desinspirado de Everyday´s the same para ver o que é que o puto anda a fazer, e a paz de Build, a mais bela canção sobre construção civil, para um pequeno descanso que se prolongará por Step outside e Flag day - durante esta última canção, pensamos como é reconfortante não ter uma bandeira na janela. Já com as forças retemperadas, estamos prontos para atacar um grande momento de dança com a sublime Happy hour, após o que pomos o tacho ao lume até o alho picado alourar enquanto tentamos seguir o falsete na segunda voz de You've got a friend. He ain´t heavy é o momento de deitar os berbigões no tacho, e Freedom pode ser aproveitado, havendo vontade, para verter águas. The people who grinned themselves to death dá um belo pretexto para reforçar o whisky, que por esta altura já foi há muito. Sempre em lume brando, vão-se mexendo pausadamente os berbigões na lenta toada de Caravan of love e The light is always green, e picam-se os coentros com energia enquanto se acompanha We're not deep com oportunos bop bop bop bop bop bop. Durante Me and the farmer podemos descontrair e partir para novo momento de dança de salão, preparando-nos para a espiritualidade de Lean on me que convida à comunhão dos coentros com o demais conteúdo do tacho. Drop down dead deve então ser acompanhada com pancadas enérgicas de colher de pau num tacho (de preferência não o mesmo em que se está a cozinhar) como forma de chamamento geral para a mesa, para a qual todos seguem em fila indiana enquanto cantam Hopelessly devoted to them.
Acompanha com vinho branco muito fresco. Ou cerveja muito fresca. Ou whisky com muito gelo.
Para sobremesa fica o clip de Happy hour, tao bom como a canção.


Só para as novas gerações que não viveram o período de ouro desta banda fantástica: reconhecem o baixista, que é o primeiro a aparecer e na altura era conhecido por Norman Cook? Eu dou uma pista: "check it out now, the ..."

5 comentários:

Luisa disse...

Tu tens piada, realmente.

Luisa

Anónimo disse...

... soul brother, ckeck it out now...?

Joe disse...

Sra Presidenta, quanta honra!!

Anónimo disse...

qual na roça com os tachos...
j.g

fabiana disse...

Bela receita!